Inicial Cultura

Mostra “José Juliani” no Museu Municipal

313

Em parceria com o Museu Histórico de Londrina, o Museu Municipal de Porecatu reabre o seu espaço de Exposições itinerantes com a Mostra “José Juliani”.

O trabalho de Planejamento Técnico do nosso Museu tem inicio nesta sexta-feira, dia 13, e será dividido em três etapas, Higienização e digitalização do acervo, Planejamento Museógrafico e Definição dos espaços de Exposição.

O Trabalho contará com a participação de alunos do 2º Ano dos Colégios Malvino de Oliveira e Ricardo Lunardelli como parte dos conteúdos da Disciplina de Sociologia.

Todos os trabalhos serão orientados pelos Professores Amauri Ramos (Museu Histórico de Londrina) e Deise Maia (UEL)

APRESENTAÇÃO
As imagens de José Juliani são muito caras à população de Londrina e região frente ao seu indiscutível valor histórico. Registros da mudança da paisagem local, do avanço das construções, das transformações do espaço, refletindo claramente a ideia de progresso econômico, de desenvolvimento.

Fotógrafo contratado pela Companhia de Terras Norte do Paraná entre 1933 e 1943, Juliani apresentou visualmente o ideário do empreendimento colonizador. Imagens posadas, registros intencionais que compunham o processo de transformação dessa região.

Suas imagens mais conhecidas são aqui apresentadas entre outras, e seu conjunto revela uma perspectiva de fotografia que por si desperta interesse histórico: um olhar direcionado, definido pela intenção enquadrada, a pose congelada, o registro oficial. Não existe em sua coleção fotografias de instantâneos, nem mesmo de um falso instantâneo…

Como fotógrafo de estúdio, perseguiu a composição mais perfeita para enquadrar a infância, a família, à beleza da moça. Como fotógrafo contratado, apresentou a imagem positiva da cidade em crescimento, de um progresso sem contra argumentação. Como fotógrafo de rua, congelou as feições dos transeuntes que assim o desejavam.

José Juliani esteve a serviço do congelamento das intenções e essa obstinação é ainda reconhecida no esforço do retoque, no acabamento pelos pequenos ajustes que, no entanto, não pretendiam alterar o fotografado.

Apresentamos o trabalho de José Juliani não somente através das imagens mais conhecidas ou emblemáticas, mas também através de outras que, no conjunto, ajudam-nos a perceber uma coerência, a perspectiva de um mundo ordenado, como se seus fotografados não pudessem estar em outro local que não aquele, onde estava ele próprio.